segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Esta campanha! (analisada pelo prof. aposentado compulsivamente, vosso tio Sabi)



Nota do redator: Esta perspetiva, é a minha visão da coisa. Sei que a minha família, quem mais quero no mundo, cujo bem-estar está dependente de astros aqui visados, está protegida pela sua personalidade e profissionalismo. Sou livre e é nessa condição, que no meu sítio na internet, digo o que me vai na alma, sobre aquilo que mexe comigo. Desde que nunca falhem, como eu sei que nunca falharão, (porque a sua postura é à prova de bala), estarão sempre seguras de si, como eu estou de mim. Não querendo criar guerras e clivagens, quero ter direito a pensar, a ter a minha opinião e a veiculá-la.


Para os bornais que hão-de vir com a conversa do “lavar roupa suja”, eu esclareço: tenho o meu passado resolvido, e os assuntos bem esclarecidos dentro de mim. Apenas gosto, e quero pensar alto. Posso?
Se puderem, façam-me um favor: em vez de virem ler o meu blogue, criem vocês o vosso. Cada um brinca com o seu carrinho. Vale? Fazemos uma aposta, que eu nunca lá irei ler?


Para quem anda mais distraído (e cego?!?!), o vosso tio Sabi, veste a toga de politólogo, afirma e confirma que… segurem-se… as autárquicas estão aí!
WWWWWWWWWWWWWWWWWWEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE… (alegria da criançada com mais de 18. Que já são alguns… Os velhos morrem, estes crescem e… já metem a cruz. Ah pois é, bebé!)


Quem ainda não tenha reparado (nalgumas arruadas que os candidatos e os seus apoderados, têm feito por aí, sempre que haja festa religiosa, ou d’arrembimba-o-malho); quem ainda não tenha dado notícia na converseta que muitos deles têm montado, a quem habitualmente não era passada chapa nenhuma; temos agora aí, a prova dos 19: A PROPAGANDA!!!!!!


Eu até já estou a ver, o tamanho dos calhaus, que alguns mais mal intencionados e maldicentes, têm nas mãos, para me atirarem à nuca. Calma, queridas. Para já, eu já tive um traumatismo craniano e… se voltar a ter outro, é natural que me custe mais a recuperar (ou nunca mais regressse). Estão a ver aquele guarda-redes do Chelsea, o Pter Cech, que jogava sempre com um gorro almofadado muita cómico. Pois bem, ele já tinha tido um traumatismo, e sabia que se voltasse a ter um choque ali, já nunca mais podia ficar de ressaca (da vida). Por isso, calma, sosseguem as passarinhas, que o professor Sabi vai-vos dar uma aula, completamente gratuita, sobre política, design, economia, nacional porreirismo, e voodoo.


ELE TAMBÉM TEM CULPAS NO CARTÓRIO!!!! ELE TAMBÉM FAZ PARTE DE UMA LISTA!!!!!!”. Claro que sim! E porque não?!?!?!?! Quem é que disse que um comentador de futebol, nunca pode chegar a ser treinador? Quem é que pode dizer que um comentador político, nunca pode vir a ser um presidente da república? AH, Ah… Agora lembrava-me do nome d’um mas… já me esqueci! L As pessoas têm toda a razão, quando dizem que eu já nunca serei, o mesmo que era antes do acidente. Realmente… esqueço-me tanto… tinha o nome do homem debaixo da língua… Mesmo agorinha…



Eu faço parte do movimento “Marvão para Todos”, que ajudei a parir, em dois anos de gestão clandestina, desde a primeiríssima reunião. Concorrendo ele a todos os órgãos, para grande orgulho e júbilo nosso, eu integrarei, caso os marvanenses assim o queiram, a próxima assembleia municipal. Ali, serei o Pedro de sempre: a chamar os bois pelos nomes, justo, reto, visceral, insubordinado, rebelde. Se lá não me quiserem, vou para a lareira, no inverno; e para a esplanada, no Verão. Faça-se o concelho comigo, ou sem mim. Na boa…



Feito com tanto amor. Uma criança, um adulto, um idoso. O castelo, o nome...


Nesta análise, dispo a bata de candidato, e visto a toga de doutor (da mula-ruça) das políticas.


Numa varridela pelas campanhas, conseguimos logo antever, ao que vem, cada um dos embrulhos que está por detrás. Como não tenho tempo, nem dinheiro para me dedicar afincadamente a este artigo, não farei a cobertura exaustiva pelo concelho, e limitar-me-ei, áquilo que vou vendo na minha vida, por aí, ou enquanto vou trabalhar.


Se fosse pela campanha, o Partido Socialista ganhava antes de começar o jogo. Ataca em todas as frentes, com uma promoção de alto gabarito, ao melhor estilo revista CARAS. Dizem as más línguas que isto é tudo feito, e pago pelo PS. Mas… o PS não era aquele partido que andava com eles a baterem num laje? Não era aquele que pedia dinheiro aos militantes, para pagarem as rendas das sedes? Não percebo nada disto.


Seja como for, eles estão em sítios estratégicos, e duplicados! Não deixam que nenhuma criancinha, entre para a escola primária, sem saber quem eles são! Apresentam duas variáveis:

1- a malta toda que concorre (assembleia, câmara, testa de ferro para a junta), a segurarem num placard onde se escreve o óbvio. Gosto particularmente de me parar, sorrir e pensar: a história de cada um, o passado por trás de cada rosto, as intenções, as potencialidades e os projetos.


Para a câmara, vejo pessoas que vêm à procura do que já foram, e o querem de volta; uma pessoa que se deveria envergonhar do sorriso que luz, porque não é de confiança, sincero, e verdadeiro, porque já vestiu a mesma camisola que eu, nesta guerra santa, mas que, na realidade (admitindo que queira o bem do concelho. Essa, dou-lha de borla), quer sobretudo a sua promoção pessoal, subir aquele degrau na vida que ainda não conseguiu de outra forma. Se o vi garantir, que de nós todos, seria sempre o último a sair… durou pouco. A convicção… revela muita imaturidade.
Depois, há pessoas sérias, convitas, mas também há os bibelots. Que deveriam ficar sempre bem, a compor pelo género.




2- a rapaziada para a junta, já com alguma idade, muito bem arreados, bem acasacados, revelaram um raro deslize na produção. Deveriam ter-lhe dito que o período eleitoral, apanha mais o calor do Verão, que o frio do Inverno, que os levou a figurar em tais roupagens.


Os locais onde figuram, todos muito bem escolhidos… ou não. Em Santo António das Areias, figuram logo à entrada da aldeia mas, apenas são vistos por quem vem do lado da Beirã. Quem vem de Marvão, não vê eles, não. Ali.
Porque chegados ao largo principal, têm obviamente de levar com eles, junto à casa de Deus. Tivéssemos todos tido a prepotência, a arrogância, a desfaçatez de ter ali espetado umas tarjas, um placard, com a sua própria cor… o muro da igreja ficaria tipo “puzzle das autárquicas”. Com o padre Marcelino, poderíamos uma publicação do género “Onde está o Wally”, só que aqui seria: “Onde está o Marcelino?” Era tentar descobri-lo lá, no meio da confusão



Ora… há terrenos que são da res pública: de ninguém, e terra de pessoa nenhuma. Eu tinha vergonha. Mas eu, sou eu. Como eu, não há nenhum. Isto para o bem e para o mal.

Os socialistas de Marvão, que a julgar pelas últimas votações, têm vindo a perder expressão, funcionam como um bloco. São dali e não vêm mais nada. São um bocadinho, como eu sou do Benfica. Sou daquele desde sempre, e pronto, já está! Um dogma. Verdade intocável.


O partido do poder, que se diz social democrata, mas que de democrata aqui, em Marvão, tem tido muito pouco, variou as frentes de ataque.



Tomou o prédio que serve de frontaria a Santo António (e é o primeiro do bairro habitacional da Casa do Povo) de assalto. Ali, só eles e mais nenhum. Serve até para disfarçar a terrível aparência do imóvel, que dá um aspeto verdadeiramente degradante a toda a aldeia. Mas será que a Casa do Povo, tão bem gerida que sua presidente foi inclusive convidada, para ser vereadora da lista socialista, não tem umas centenas de euros para mandar pintar, pelo menos a frente deste? Mesmo que os outros ficassem como estão? Mistério…
Olhem que pode mandar em muita gente, mas nem toda a gente morre de amores pela figura. Vale uma aposta?


O cartaz do PSD, como todos os outros, ficou deveras pavoroso. O nosso Luísinho, aparece com um tamanho de cabeçorra… que até intimida, ó valha-me Deus! Junto a ele, qualquer outro candidato, parece o que parecem os outros ali: pequeninos. Parece que a criatura esta chegou do espaço sideral, do planeta dos Cabeçudos, para tomar de assalto os liliputianos. Não sabem, quem eram estes? Peçam as filhotes/netos, o livro do Gulliver. É muito engraçado.
O amigo Maroco surge com o ar dele, bem disposto, assertivo, que convida. Tá normal. Passa.
A Sónia parece assustada, a pobre. Riso amarelo como se os do programa “Querido, mudei a casa”, lhe aparecessem de rompante, para fazerem umas alterações à última da hora. Tem pouca atividade política ou cívica que lhe seja reconhecida; mas surge ali pela via do padrasto, ilustre dinossauro arenense (tá de Isaltino, está…) que isto não pode ser só aturar secas ao muro de casa, e o palco tem de ser dado a quem quer cantar. O trabalho de design ficou tão pavoroso (eu pedia o meu € de volta), que até o meu amigo Alfaia, que eu imaginava tão longe destas guerras, parece pequeno, quando ele é um homem atlético, 0% gordura, tudo fibra.



O PSD, que gosta pouco de touradas, e arranjou maneira de se ver livre do vereador que quis dar o grito do Ipiranga, voltou a acampar junto à praça de touros. Ali parei, e olhei para eles. A imagem merece um estudo mais cuidadoso, a nível de design. Ora, os 3 estarolas, parecem que não se estão a rir para nós, mas a rir de nós. Aposto que com eles fizeram aquela paródia que se faz habitualmente aos miúdos, quando se quer que eles sorriam para a câmara. Aposto que lhe disseram antes: imaginem que as eleições já passaram. Os senhores, absurdamente, ganharam outra vez, com a maioria absoluta. Os outros candidatos, perdedores, estão a passar à vossa frente, cabisbaixos, uma a um, como os judeus quando se encaminhavam para a câmara de gás. Façam-lhe lá uma carinha… Eis!


O slogan, é forte e emblemático: SEMPRE CONVOSCO! Livra! Até quando vou à casa de banho?!?!?!?!!? É que… em vez de laxante, vai dar prisão de ventre! Aeh… que diabo!!!


Eu percebo o candidato Luís. Quem o puxou para o grupo de forcados, quem sempre o incentivou, ensinou, e disse-lhe que tinha jeito, encostou-o à parede: ou vais para cabo, e EU fico atrás de ti, e EU é que te passo a dizer quem vai pegar, o quê, e em que posição, ou estás amolado.
Ele, que remédio, teve de dizer de sim.


Estou mesmo muito grato à limitação de mandatos, porque caso contrário, o sr. que tem presidido a câmara municipal, já há 12 anos?!?!?!?! era gajo para lá ficar como o Fidel Castro, em Cuba.  Na cama, já com os pés para a cova, velhinho até mais não, mas ainda com vontade de mandar. Isto do poder, tem que se lhe diga…


Ele pode pensar que está a fazer muito boa figura, a rir de trás do Luís, mas… há palhaços que não precisam de se pintar...


Para compor o ramalhete, concorre quem já experimentou pela esquerda. Não deu. Agora experimenta pela direita, e sempre se verá no que dá. Isto hoje em dia, está tudo muito batido, e quase não há limites, pois é? Fazer o bem, nunca cansa quem é de bem, e o dinheirinho sabe sempre tão bom…


Adoro como passaste a ocupar as manhãs, a pagar copos de vinho aos homens no Cantinho do Miradouro!. Super interessante, não é? Noblesse oblige…


O rapaz, que é meu vizinho, quase me tirou a fala, depois de eu ter escrito, que o estranhava tão devoto numa missa, prendado até a aprender os cânticos com as senhoras do coro, de caderninho na mão. A verdade é que, depois disso, nunca mais lá o vi. Tirou-me a fala mas… agora sou que digo que… nem se pinte de amarelo. Aconteça o que acontecer. Não sou rancoroso, não sou de ficar sentido, só que, eu já percebi que a vida passa tão rápido, que não quero senão passar tempo com quem sei que eu gosto mesmo, e goste de mim. Quem não se sente… Passo tão bem assim... Só quero, quem me quer.


Sozinho aparece o candidato camuflado de independente, com a barriga de aluguer do CDS/PP. Aparece sozinho porque… nas paletes não cabem muitos (o sr., de magro não tem nada), e no fundo, é isso que pretende: encaixar-se. São tantos os candidatos, que dificilmente sairá uma maioria. Vai nisto, tem de haver geringonças, tem de haver acasalamentos e ele… pretende, claro está, ter uma cadeirinha onde se encaixar.

Diz que são muitos mas... se só houver lugar para um...

Tem um mérito, que a mim me surpreendeu, devo confessar, de revelar uma genica, que eu não pensava que tivesse (tal era a ideia, que me habituei a fazer dele, quando partilhávamos o gabinete da vereação, entre 2005 e 2009).
Na revolta que tentou operar no navio laranja, escudou-se mal, foi surpreendido pela teia da cúpula, e decidiu esgarrar. Em vez de definhar, mexeu. E isso é de considerar. Quem sabe se irá ser premiado. Tem é de contar com outros apoiantes, que não o seu ex-colega (leia-se, claro está: eu.)
Dos dissidentes, conseguiu levar alguns pilares fundamentais do PSD local: caciques que só assim, conseguiram que os seus descendentes tivessem voz; membros ferrenhos que nunca obtiveram ganho algum, mas sempre suaram, e muito; e pessoas muito próximas pela via marital, a generais do maçudo, que se viram obrigados a sair, pela limitação de mandatos, em freguesias da redondeza. Parece ser muita gente, mas, bem escrutinados, são capazes de não serem assim tantos, e talvez quase sempre os mesmos.
O sr. não é grande coisa a português. Li dois ou três manifestos iniciais da sua lavra, com tempos verbais mal conjugados, e temi o pior, mas… tem revelado uma assessoria multimédia bastante bem urdida. Sim, que eu vou ver, porque gosto de saber. Aquilo… paga-se. E bem.


Os comunistas, coitadinhos (digo-o sem desprimor algum, note-se!), são engraçados. Vêm que aquilo em que acreditam, não resultou em sítio algum no mundo. Mas ainda assim, insistem. São persistentes. Valha-lhes ao menos isso. Mas só.


Sendo assim, chegámos a nós. Marvão para todos. Como sonhámos ser, como quisemos ser, como esperamos vir a ser.
Simples, financiados, por enquanto, pelos nossos próprios bolsos, apostados no contato mão na mão, cara a cara, conscientes de que temos na nossas fileiras, das pessoas mais bem intencionadas em prole do bem comum, de todas as listas. Todos com provas dadas na vida, todos sem qualquer tipo de interesse financeiro por detrás. Pode ser que os cartazes sejam pequenos (quando comparados, com as produções megalómanas dos demais) mas são autênticos. Têm pouca cor, mas tampouco vimos dispostos a montar um carnaval. Têm a nossa cara, têm-nos a nós. Têm autenticidade, são sóbrios e verdadeiros.



As autárquicas estão aí: que soltem as feras!

2 comentários:

António disse...

Meu caro Pedro Sobreiro tomo a liberdade colocar algumas questões sobre a relação entre as coisas em que os comunistas acreditam e os resultados.

Os comunistas até acreditavam que um dia seria possível os portugueses verem a luz do dia e da liberdade depois da longa noite fascista. E resultou.

Aquilo em que os comunistas portugueses acreditam tem resultado nas inúmeras frentes em que participam: sindicatos, coletividades, associações ou, a nível mais institucional, nas câmaras e assembleias municipais e juntas de freguesia. Nuns sítios em maioria, noutros em minoria.

Na Assembleia da República, muitas das coisas em que acreditam têm resultado. Votam muitas vezes a favor de coisas de outros, nas quais acreditam, e acabam por resultar. Muitas vezes são outros a votar favoravelmenta propostas que os comunistas apresentam (e nas quais acreditam) e que acabam com bons resultados.

Os comunistas acreditavam (e acreditam) num Poder Local Democrático e... resultou num desenvolvimento nunca antes experimentado em Portugal, mesmo em sítios, como Marvão, onde é notório que os comunistas não têm influência.

Tem toda a razão quando diz que os comunistas são insistentes e persistentes. É matéria de facto.
Quanto a serem "coitadinhos" e "engraçados" já é do campo da opinião. Reconheço, porém, que não é das piores coisas que nos têm chamado.

Cordialmente,
António Baldeiras

PCosta disse...

Que boa imaginação..."copos de vinho" ah,ah, bato palmas a essa. Ainda faltam 15 dias para o termino da campanha o que se seguira!!!!
Mas qualquer leitor percebe que toda esta reflexão tua se pode resumir numa única palavra INVEJA.... porque nem criticas positivas sabes escrever... da análise psicológica que se pode fazer nem me dou ao trabalho de comentar porque não "vales" a pena.... boa criatividade :)