sexta-feira, 24 de junho de 2016

Dou-lhe uma, dou-lhe duas... VENDIDA À SENHORA DO FUNDO DA SALA!

Sapat... ai! Marteladas, aí vou eu!

Ei-los!
O convite surgiu de forma inusitada, quando entregava a minha filha na escolinha. Esse desafio chegava de uma profissional com P maiúsculo, alguém que comecei a conhecer, com quem trabalhei muito, sempre de forma muito feliz e eficaz quando fui o vereador responsável pela educação na Câmara Municipal de Marvão. Se havia pelouros importantes, este era seguramente um dos mais, um daqueles nos quais depositava a máxima concentração e dedicação.

Naquela manhã, a professora Teresa Maria Reis perguntou-me se queria ajudar os alunos na última atividade do projeto de empreendedorismo do Pré- Escolar. Ainda antes de dar a resposta, a minha cabeça já estava a fervilhar de que forma poderia fazer algo que tivesse o meu selo e tivesse um nível… alto. Procurei reunir, quanto antes, o máximo de informação possível para saber de que forma poderia criar o meu ”boneco”.

Soube logo então que o objetivo de fundo era nunca exceder os 10 euros por cada obra. O suficiente para cobrir os custos dos materiais utilizados em cada uma (3 euros pelo tela + tintas…). Para além disso, o mais importante era conseguir recriar o ambiente de um leilão verdadeiro, para que os pequenos se sentissem mesmo enquanto artistas que tinham a sua obra a ser licitada, valorizada, querida. E aqui entrava eu.

Quem me conhece sabe que eu adoro festa, estar bem disposto, brincar, ser feliz. Mas mesmo para brincar, a pessoa tem de ter nível. Quem conhece a minha história no Marvão Folião (aqui cristalizado no separador “Carnaval”, no banner direito) sabe da dedicação que o meu grupo de amigos carnavaleiros da “Escola de Samba Unidos da Ramila de Cima” colocava em cada atuação que assumia. São os grandes detalhes que fazem os grandes quadros e eu, artista do método, sempre assumi que assim era.

Com beldades destas... onde é que estão as obras de arte?
Por isso imaginei logo um leiloeiro que teria de ter um aspeto consentâneo com a figura que queria. Fui-me ter com a minha amiga Luana, da Loja China Store e procurei por um martelo, indispensável à coisa.

- Martelo para pregos?

- Não, querida… um martelo de leilão.

- Não tem.

- Não tens?!?!?!? Mas se vocês aqui vendem tudo… Com simpatia, baixo preço, questionáveis garantia e durabilidade, mas ainda assim… têm tudo. COMO NÂO TÊM?!?!? E onde é que eu vou agora a ver disso?!?!? Já não há rua do comércio…

Vinha já um pouco abatido e cabisbaixo quando o Jorge, o seu marido chinês, que tem um nome bem tuga e um aspeto dandy fantástico, sempre com um lencinho atado ao pescoço, disse…

- Espera! E lá vem ele, todo contente, com… um martelinho de sapateira!

- Perfeito, rapaz. Quanto vale?

- Euro e meio.

- Levo!

Já a pagar… Epá! Ainda me falta um adereço para o pescoço! Luana, tens gravatas, preta?

- Tem, tem.

- Então levo uma… espera! E papillon?

- Tem, tem… (o que eu adoro esta música. Tão assertiva…)

- Isso! Levo!


Agora que os adereços já estavam, teria de levar uma roupa de cor apelativa associada ao caráter que queria para o menino, os meus óculos de massa da Ray Ban, e o bigodinho misto Tonico Bastos/Fernando Pessoa teria agora permissão. Uma trégua já vai bem. De resto, tinha de ser um leiloeiro um pouco empanascado. Com tiques gay e pelas fotos creio que se percebe isso foi consegyuido. Que isto de coisas das artes e papillons e camisinhas cor de rosa e taratati, taratatá! não ia meter ali um tuga de braceletes, tatoos, fios de prata ao pescoço e a unhaca grande do dedo pequenino. Também dava! Mas isso era para outras calendas… Para dar arrotos e coçar os tintins em público…

Se o leilão era para começar às 5 ou 5 e meia, apresentei-me logo bem cedo para estudar o pintor, saber mais sobre os quadros que foram realizados, dispor os lugares por forma a que as cadeiras dos licitadores ficassem todas viradas para os quadros, criar um espaço para os alunos poderem ver toda o processo do leilão, preparar tudo. Método.



Pedi então às crianças que saíssem um pouco da sala para realizar alguns preparativos do grande momento e estando a sós com os pais, aproveitei para explicar o funcionamento da coisa, dizer que o objetivo era cada pai ficar com o do seu filho e não digladiarem-se entre si. Nessa medida, quis saber se havia alguns que “não quisessem brincar tanto”.

Depois de estar tudo pronto, Portugal continuava a perder com a Hungria e eu pedi para desligarem a televisão do bar. Se se queria realismo, valores mais altos se levantavam e um leilão, não é uma brincadeira qualquer.


Não é deles. É original.

Demos início ao leilão. Fiz uma ligeira apresentação do pintor, José de Guimarães, também baseado na cartolina exposta que tinham realizado sobre ele; e de seguida, chamei para junto de mim cada pequeno artista antes do quadro ser licitado. Não é algo comum num leilão real, que os artistas não se preocupam muito com essa coisa vil como é o dinheiro e, ou estão mortos, no momento do leilão, ou não ligam cheta à moeda, que ou abunda ou escasseia.








Os miúdos, estarrecidos de contentes, todos inchados e importantes com o seu trabalho a ser avaliado. Os pais, impecáveis, a assumirem na íntegra a postura que lhe tinha pedido. A licitarem, a picarem-se e a oferecerem um mais que o outro até que eu… DOU-LHE UMA. DOU-LHE DUAS… DUAS… DOU-LHE TRÊS! Vendido àquela senhora ali do fundo!
Em surdina, ao ouvido:

- Conheces aquela senhora?

- Sim.

- Quem é?

- É a minha mãe.

- PPPPPPPPxxxxxxxxiiiiiiiiiiiiiiiuuuuuuuuuuu… é uma senhora com muito dinheiro que veio da América. Olha que se dizes que é a tua mãe, eles pensam que estás a fazer batota e não te deixam levar o quadro.

E era vê-los a irem para o lugar todos contentes, cheios da brincadeira e do realismo da coisa.







Foi tão bom. Fui tão feliz. Muitos pais e professores me agradecem, ainda hoje, pela prestação. Eu sei que a falsa modéstia é arrogância e, sei que estive bem. Esforcei-me, preparei-me e… o trabalho é sempre bem recompensado.

Mas a haver aqui agradecimentos, é meu e creio que posso dizer extensivo de todos os pais, à professora Teresa Maria Reis e a toda a sua equipa (a prof. Rosa Jacob, ao nosso professor Filipe Ferreira, à Sílvia Siveira, e a todos os funcionários) que estiveram em contato com os nossos filhos e lhe proporcionaram o melhor ambiente para aprender. À Teresa em particular, tenho que lhe dizer que o que diferencia um bom trabalhador de um trabalhador que marca para toda a vida com quem contata, é o amor e a paixão que coloca no que faz. E a Teresa será certamente uma profissional para a qual eles sempre hão-de olhar com um carinho desmesurado.



VOILÁÁÁÁÁÁÁÁÁ Francisco!




Por esta sua dedicação no ensino, que tem sido para nós bem possível de apreciar pelos quadros que os põe a criar, podemos tirar as ilações que nos fazem falta para nos tranquilizar por todo o tempo que os nossos filhos estiveram consigo. Eu só sei o descanso que tinha de cada vez que a levava até si.


Bem haja. Tudo de bom e a correr sempre pelo melhor. Sorte, saúde e continue. Há muitos anos de gerações de crianças (e pais) para fazer felizes.


Obrigado Teresa.









Por Alice Lança Sobreiro, de 6 anos
Já dorme na sala. Ao lado do Matisse e do Van Gogh


video


Sem comentários: