quinta-feira, 9 de julho de 2009

Chez Panda

On the road

O domingo foi dia grande, dia do Panda, dia do primeiro festival da pequena.

No ano passado, quando aconteceu a primeira edição, gritava de cada vez que via o anúncio na televisão. Desta vez não havia como escapar.

E sendo assim, algo combalidos pela festa da noite anterior, pelas poucas horas de sono e pela alta rodagem, lá partimos. Amolgados mas partimos.

A organização era da Associações de Pais do Centro Infantil e como costuma sempre correr tudo tão bem quando estão aos controlos, aproveitei para relaxar e dar mesmo uma de excursionista, com tupperwares cheios de frango com esparguete.

Fui todo o caminho a olhar para a minha geleira nova que comprei no Leclerc por 19 érios e 90. Tão contentinho… Só tive pena que não fosse azulinha como manda a lei da Campingaz mas prontos, era o que se podia arranjar, as outras estavam esgotadas mas não faz mal que as coisas ficam tão fresquinhas lá dentro… Ai eu… Imaginem o que levava eu? Naaaaaa. Iogurtes líquidos. Isso sim!


Tão linda... tão fresquinha... tão baratinha...

Parámos em Torres Novas onde há um centro comercial enorme cheio de lojas engraçadas e onde há muitos restaurantes onde se pode comer bem e barato. Nós fomos numa de massas à italiana que caíram muito bem. Dali fizemo-nos à estrada e às 3h da tarde já estávamos no território do primo Isaltino, a beirinha do seu estádio coqueluche.

As filas davam voltas ao quarteirão… Mas nestas andanças dos festivais, a velhice é um posto. Em vez de me meter logo atrás do pessoal, fui investigar como é que era a entrada à boca de cena e não é que havia uma fila da direita cheínha, uma da esquerda cheínha e uma do meio sem ninguém? E não fui eu que me armei em esperto. Os outros que já lá estavam é que se estavam a armar em parvos... Nem sequer nos metemos à frente de ninguém! A fila estava vazia… Tão simpática a menina lá da porta…

Aquilo era uma maluqueira… Tanto cachopo e cachopa, tanta criança… tanta mãe…

O festival é assim… a produção é nacional e a coisa rende milhões… por tostões. Uns vestem os fatos da Turma do Panda, depois despem-se e vestem o dos Koalas e depois o da Vila Moleza e por aí fora que os putos nem notam, cotadinhos… e que se lixe! Desde que pensem que é verdade… That’s all that matters…

Eu cá adorei ver a criançada a fervilhar de alegria, mas também adorei a Janete e as Winx. Tão boas raparigas, cantavam tão bem em playback…

Foram duas horitas ali abancados na relva, para os baixinhos poderem ver, arranjou-se uma dor de pernas e de rins mas ficou tudo bem.

Nada que o ritual da paragem em Vendas Novas para as fenomenais bifanas não resolvesse.

Embalados pelo repasto, ensinei os outros pais no autocarro a jogar à moedas, depois cochilámos um pouco e em menos de nada já cá estávamos.

O próximo é só para o ano?


No reino de D. Isaltino, o Suíço...

Chegada ao campo de batalha...
-
Não, não saiu nas rifas. Custou 10 euros.
Mais um para o cemitério de peluches que está instalado no meu sótão...

Digam lá que não ia com o dress code correcto?
Esta t-shirt meteu tanta inveja lá... e os óculos? E o chapelito? Ah...

Até os bonecos do anúncio de lavar a roupa lá apareceram! Só refugo!


Momento da actuação da Turma do Panda


As fabulosas Winx... (e mais não digo...)

Depois de 3 dias a dormir numa tenda... as olheiras já se faziam sentir...

Eina tantos...

Os irmãos Koala curtiram a bom valer...

O Sportacus deu um show bem animado...

Acho que esta diz tudo...

A apoteose final



1 comentário:

Artur Sequeira Portela disse...

"Imaginem o que levava eu? Naaaaaa. Iogurtes líquidos. Isso sim!"

Pois, pois...conheço tão bem aqueles rótulos que estão debaixo do saco do gelo...
Abraços.