quarta-feira, 24 de julho de 2013

O papa Chico é fixe (e já agora que vem a talho de foice: o Soares está xéxé e que se lixe)





Quem ler este texto depois do último aqui publicado dirá certamente que não foi escrito pela mesma pessoa. Mas quem conhece o “artigo” por trás do enredo, sabe que o vosso Tio Sabi de certinho nunca teve nada.

Agora assino por Pedro Sobreiro porque se me varreu a password de quando assinava Tio Sabi mas vocês sabem que o animal é o mesmo. Sabi só há um. O verdadeiro e mais nenhum! Acho que há uma réplica no Algarve mas é vizinha do Zézé Camarinha e é do Sporting. Só pode ser contrafacção, coisa de loja do chinês, agora que já não há loja dos 300.

Agora assino por Pedro Sobreiro, o meu nome falso de travesti de pessoa normal. Disfarça…

Este intróito para falar do papa Chico. O papa Chico é gajo valente e que me enche cá as medidas. Façamos um pouco de história. Só me lembro do Karol Wojtyła que era um bom homem. Lutador mas muito doente nos últimos tempos, exercendo um mandato em que a fé se sobrepunha quase a tudo. No final, não exercia: arrastava-se. Sofria vê-lo sofrer. Era uma cruz pesada demais.

O Ratzinger não jogava cá no meu clube. Eu acredito em Deus, na força que rege o mundo, mas a igreja… deixa um bocadinho muito a desejar. Tanta coisa má… Só aquela dos padres não poderem amar uma mulher e terem de ser celibatários, quando o próprio Jesus amou Maria Madalena! Só pode ser disparate ou brincadeira. Tal deve ser cá a fomeca… Pois o Ratzinger poderia ser o melhor ser do mundo mas a mim… não me convencia. Havia ali qualquer coisa…

O papa Chico é gajo fixe. É de Buenos Aires, da Argentina. Gosta de vinho. Gosta de bola. De certeza que gosta de mulheres mas só de as ver que o homem é celibatário (mas tem olhos…  e  de certeza que a sua vista gosta de ver as irmãs converterem-se. Não se pode fugir à natureza!).

No Brasil baldou o faval e mandou a polícia de segurança pastar. O Miguel Sousa Tavares disse que o homem não podia estar bom ao fugir à proteção da bófia. Disse que qualquer dia não há nenhum estado que o queira receber. E ele quer lá saber! Ele é amigo dos pobres, dos desgraçados, dos sem nada e por isso escolheu o nome Francisco em nome do exemplo do de Assis.

Nas primeiras declarações que fez ao chegar a terras de Vera Cruz, o papa Chico disse que não trazia ouro, nem prata, mas sim Jesus Cristo.

Isto é de um poder brutal.

Jesus era o rebelde. O rebelde. Nada temia e nada o parava. Nem os sábios, nem o poderoso exército romano, nem os poderes instituídos, nada! O episódio em que expulsou os vendilhões do templo do seu pai exemplifica bem o doce que era. À paulada!  Mas Jesus também era compreensão. Perdão. Amor ao próprio. Inteligência.

O papa Chico é grande! Long life to the pope. Prometo que assim que vir uma t-shirt dele, a compro de cruz. E era gajo para beber um tinto com ele. Deve-se estar bem na sua companhia. Assim sim: a igreja vai lá. Próxima dos homens. Acessível. Humana. Terrena. Nada de opas douradas nem varas de ouro. Nada do Vaticano como um dos estados mais ricos do mundo. Pequenino e cheio do papel.Com tanta gente a morrer à fome! Se ele cá viesse a baixo ver isto…


O Chico leva a malinha na mão para o avião. O Chico é cá da gente! Viva o Chico!

1 comentário:

Henrique disse...

"ISTO É DE UM PODER BRUTAL"

EXCELENTE...