terça-feira, 4 de junho de 2013

Dia da Criança – 1 de Junho

Imagem captada hoje de manhã frente à pintura coletiva que fez no infantário

Hoje, dia 4 de Junho foi o dia da criança em Marvão. Três dias após o dia da criança em todo o mundo.

Dia 1 de Junho foi o dia da criança do Chipre ao Japão, da Jamaica à Gronelândia, do Zimbabué à Finlândia. Em todo o mundo mas… em Marvão não. Marvão é diferente do resto do mundo.

Escolhi propositadamente este dia, dia 4 de Junho, para fazer esta publicação no blogue como foi meu dia da criança, dia 1 de Junho como em todo o mundo.

O meu dia da criança foi grande. O meu dia da criança foi glorioso. O meu dia da criança foi o meu dia da criança e o dia da criança das minhas filhas.

O dia da criança foi o meu dia porque o herói da minha vida é o Peter Pan, o rapaz que nunca quis crescer. O Pedro, como eu em inglês, nunca quis crescer como eu não quero. O Peter Pan é o único herói que tenho na vida. Também sou da opinião que tudo o que temos dentro de nós em criança, é o melhor que temos. Tento preservar a criança que há em mim, em ver o mundo com os olhos de criança todos os dias. Vejo o mundo assim, sempre, até pelo blogue: verdadeiro, ingénuo, imaginário, por vezes cruel, mas sempre infantil.

O meu dia da criança foi o dia da criança das minhas filhas porque me esforcei para que tivessem um dia único e inesquecível. Das minhas filhas… quer dizer… da minha filha Alice porque a Leonor já diz que está na pré-adolescência e teve só direito a meio dia. Foi à piscina com uma amiga e quis distância de nós, de mim e da mana Alice. Paciência. Aceita-se o choque geracional. Que remédio…

Vivi, ou melhor… vivemos um dia da criança inesquecível, eu, a Alice e a mãe Cris. Creio que as fotos que fui tirando com o telemóvel durante o dia, dão para perceber isso.

Foi um dia da criança que terminei cansado. Caí na cama esgotado da energia de tanta alegria que vivi. Vivi tantos momentos bons, deliciosos, inesquecíveis... Nem sequer tive forças para fazer algo que tinha projetado para o meu dia da criança filho (que é bem diferente do Pedro Sobreiro pai!) que era ver o Django Unchained, o novo Quentin Tarantino. Fiquei para último mas antes eu que elas a ficar em último neste dia. Vejo-o noutra altura. O videoclube do MEO está sempre disponível, 24h/dia.

Eu vivi o dia da criança, o universal, o que é igual em todo o mundo, de uma forma absoluta. O dia da criança não é passível de ser uma data alterada. É o dia mundial da criança e isso de ser mundial diz tudo.

Vivi o meu com essa consciência. Fomos almoçar fora por isso, ao restaurante do meu querido amigo e quinto, João José Videira, na Portagem e tudo! Foi um dia grande e até me permiti uma mousse de chocolate deliciosa regada com um cheirinho de brandy. Coisa boa! Até me lambo só de me lembrar!

O dia da criança é a 1 de Junho em todo o mundo. Menos em Marvão. Em Marvão foi hoje, dia 4 de Junho, terça-feira porque os adultos que estão na câmara, chamo-lhe adultos para não lhes chamar burros, assim se lembraram de o fazer. Fizeram hoje porque lhes deu jeito, porque as crianças não reclamam, porque as crianças não votam, porque eles são adultos e a criança dentro deles morreu há muito.

Deus escreve direito por linhas tortas e o dia da criança que era para acontecer hoje em Marvão, correu mal e teve de ser deslocado para a Portagem, à última hora. Uma praga de rapas assolou a vila e afugentou tudo, crianças e turistas.

Para quem trabalhou tanto e sonhou tanto com o dia da criança em Marvão como eu, custou muito saber que o dia da criança em Marvão era uns dias atrasado neste ano. Mas as crianças de Marvão são inocentes e não têm culpa de nada. Não têm culpa que os pais tivessem escolhido esta gente para chefiar o concelho. As crianças de Marvão são como os filhos dos judeus que morreram nas câmaras de gás nazis. São vítimas.

Vítimas até um dia!

A esperança é a última a morrer.

CRIANÇAS DE MARVÃO, (independentemente da vossa idade, crianças como os meus queridos amigos Catarina Bucho e o João Escarameia, crianças que apesar da idade deixam sempre a criança que vive neles falar mais alto que o corpo adulto. Dedico este meu texto aos dois. É a minha prenda de dia da criança para vocês! Acreditem que ainda vamos voltar a viver este dia juntos como os que já vivemos no passado. Tão felizes que nós fomos… Tão felizes que vamos ser! Esperança! ):

VIVAM SEMPRE O DIA DA CRIANÇA COM GRANDE ALEGRIA!

A CRIANÇA É LIVRE.

A CRIANÇA NUNCA MORRE!



fez questão de levar esta varinha de condão que a mãe lhe fez

o Rui Boto sentiu bem que era o dia da criança. Ela quis que lhe comprasse quase a loja toda!
Dia da criança, o que é que se há-de fazer? Dar negas não vale!

Até houve direito a uma história contada pela avó Alzira!



com uma amiga que fez no momento

deu direito a bolinha, deu

e cavalitas do pai





a pré-adolescente também teve direito a foto com a amiga Joana

"hum... estava capaz de me mandar mas... é capaz de ser um bocadinho alto, não?"


da pré adolescente só ficaram as pernas no mergulho








assim era como eu gostaria que se recordasse deste dia: os dois a molharmos o pézinho.
Vá lá que a mãe Cristina não viu senão era ralhete certo. Para os dois...

E não meteu latinha de gomas? Ai meteu, meteu

no carrinho já pode ler a Xana Toc Toc

ler e... adormecer

 Mas depois da sesta, ainda deu para estrear o microfone do dj!
E cantar! E dançar!
Como se estivesse nova.
Pronta para outro dia!
(o velhinho é que arreou... Há que dar a vez aos mais novos. O mundo é deles!)

5 comentários:

Catarina disse...

Eu juro que escrevi sem antes ler o teu :)

http://merceariademarvao.blogspot.pt/2013/06/o-dia-da-crianca-de-marvao-2013.html

João Paulo Pinheiro disse...

Só é pena seres dos vermelhos, grande abraço

isa ludovino disse...

Felicito todos aqueles que guardam dentro de si a "tal criança que nunca morre". Mantenham-na viva!

Helena Barreta disse...

Foi então um belo dia. Um Viva a todas as crianças.

Um abraço

zira disse...

As crianças mesmo citando um lugar comum "são o melhor da vida".Os meus quatro netos são uma "força" para ultrapassar as adversidades. Ai... são mesmo.