quarta-feira, 6 de abril de 2016

E desta vez, David não matou Golias


Mas deixou que apenas uma lança o penetrasse e espetou-lhe assim, uma pedrada nas aspirações.

Bayern de Munique 1 x Benfica 0
5 de Abril de 2016
Arena de Munique

Enquanto passeava o Sizzle antes do desafio, um grande amigo meu de infância, há bem mais que 35 anos, o Vítor, dos Felinos, parou a carrinha onde anda sempre a trabalhar por esse país fora e abriu o vidro.

Conhecendo-o portista ferrenho e maldoso como o conheço, adiantei-me: “não paraste o carro para me explicares a derrota que tiveste ontem, não?”

“Metem nojo! Metem-me nojo, vocês!!!!! (eu, seu irmão e toda a sua família benfiquista!,portanto) Mereciam ganhar contra o Braga?!?!?”

“Não sejas invajoso, bebé. Se não te tivesses mudado para o Porto porque ganhava sempre e continuasses do Benfica, como eras, também poderias estar a jogar entre os 8 melhores da Europa e, para além disso, estares em 1º lugar no campeonato. Coisa pouca.”.



Eu sabia que como ele, muitos outros, senão todos os que não fossem lampiões sonhavam hoje com uma humilhação germânica.

O sonho quase se tornou realidade quando os apenas 2 minutos decorridos, na assombrosa e assombrante Arena de Munique, Vidal rematou livre de cabeça respondendo a uma centro primoroso que deixou André Almeida na covas e Eliseu aos papéis e a apanhar bonés.


Tudo parecia tão horrível que eu só queria que acabasse já.


Mas o Benfica assentou jogo, mostrou-se uma equipa madura, sólida e muito bem orientada que soube aguentar o castelo que começou a tombar logo no início. Num cenário completamente adverso, perante craques de outra galáxia, frente a um Ferrari diabólico, o nosso Simca 1000 não defraudou e encheu-nos de orgulho.

Afinal... parece que sempre és treinador

Jonas teve o golo nos pés e os mais aguerridos podem falar em dois penálties a nosso favor que não foram assinalados.

Eu só digo que Portugal é muito pequenino e um apontamento de fim de página perante as grandes potências mundiais.

A segunda mão, já para a semana, na nossa catedral, promete. Não me arrependo de ter dito que não ia ao meu pessoal que acompanhei no Zénite. A viagem é longa e pesada; o cansaço no outro dia, mói; os gastos não são de somenos importância, e ainda por cima, dá na RTP. Custa-me muito perder essa jornada incrível e o almoço que o nosso Dr. Felino vai organizar na Casa do Benfica de Vendas Novas mas neste ano já tirei a barriguinha de misérias. Será para a próxima, se Deus quiser.

Desejo-vos a vós e ao nosso grande Benfica, que seja uma jornada épica.


Hoje perdi. Hoje fui muito feliz. 

1 comentário:

Luis Freire disse...

Caro amigo! Não sei se é desta costela (ou piano de costeletas) benfiquista, mas ...MUITO BOM! Um abraço