quinta-feira, 6 de março de 2008

As aventuras de Beltrão "Cabeça de Limão"




Há dias chegou-se ao pé de mim e disse-me, “sabes, lá na escola, a professora da biblioteca pediu para os pais irem ler um conto.”

“Ai sim?”.

“Tu podes ir?”.

“Claro que sim. Que conto queres que eu leia?”

“Hum, pode ser o Capuchinho Vermelho”.

“O Capuchinho Vermelho? Que grande seca! Já todos os meninos sabem esse de trás para a frente”.

“Pois”.

“E se eu inventar um?”.

“Boa, pai!”

E assim, enquanto fazia a barba, nasceu o Beltrão “Cabeça de Limão” e a sua aventura com o menino preto.

A história saiu numa sexta-feira à noite, assim em duas horas de catarse.

Queria inaugurá-la com ela e a prima Maria mas a pequenita adoeceu e falhou à Matança do Porco e eu fiquei com as folhas no bolso.
Depois li-lha numa tarde, os dois sentados na cama.

Enquanto a história prosseguia, estudei-lhe os movimentos e os bocejos.

No final, esperei um comentário.

Abriu a boca e disse: “ó mãe, onde é que está a minha camisola do Benfica?”.

Mesmo assim não desanimei.

A mãe trabalhou muito nos fantoches e ensaiámos a preceito.

Hoje de manhã, lá levamos a tralha toda para a escolinha e “montámos a tenda”.

Um dos miúdos saltou a graçola óbvia: “deve vir para aí algum Circo Cardinas!”.

Por acaso até nem foi, mas correu bem. Pelo menos estiveram atentos e responderam correctamente às perguntas da professora.

No final, quando os amiguinhos nos bateram palmas, agradeceu e olhou para nós assim com um sorriso que não se explica, nem se paga e jamais se apaga.

Deve ser por estas que me disse como ontem: “sem ti não era feliz”.

Valeu a pena, filhota.
PS: Para quem ficar curioso e tiver dificuldades em adormecer, basta clicar aqui e depois no ficheiro do word para aceder à história. O método é o dos Radiohead: cada um dá o que quer. Abraço!
Créditos: As fotos são roubadas daqui.

10 comentários:

Catarina disse...

Aqui está uma boa lição de "como ser um bom pai/mãe"

Recado para a fantocheira: estão lindos! Já conheces os da Pukaca?
Vê aqui: http://www.pukaca.com/

Vou já ler o conto!
Beijinhos

John The Revelator disse...

O puto só podia ser do Sporting de Lourenço Marques!

elisa disse...

Olá, não tenho vindo por aqui ver que conta o Pedro, mas hoje para descansar um pouco vim e tive uma surpresa daquelas...
Se eu tivesse por aqui pais como vocês estaria no paraíso. Parabéns, parabéns, parabéns!! Parabéns por serem pais como são, parabéns por participarem na vida escolar da vossa filha como participam, parabéns por terem vontade e imaginação a rodos!
Acredito que foram crianças felizes mesmo que tenham tido dificuldades, toda a gente as tem, e a vossa menina é feliz sem dúvida nenhuma. Está garantido por vocês.

Já sabia que a mãe tem uma habilidade incrivel para trabalhos manuais e agora sei que o pai também tem uma habilidade enorme para contar e inventar histórias.

Acredito que um dia destes vou poder começar a comprar livros do Pedro para contar histórias às crianças. A história que inventou adapta-se perfeitamente ao tema do meu projecto curricular: "Educação para os valores".

Não me leve a mal mas vou apenas esclarecer uma coisa. A Leonor deve ter achado o conto um pouco longo demais, pois as crianças da idade dela ainda não conseguem concentrar-se numa história por um periodo muito longo de tempo. Ela está no primeiro ano, não é?
A linguagem está adequada, mas com a idade dela eles gostam de um pouco mais de movimento e de um pouco mais de situações cómicas ou com alguma graça. Daí os bocejos que diz que lhe viu.
Se não fosse tão comprida eu iria contar a sua história às crianças lá do meu grupo, (com a sua autorização, claro), garanto que a Maria iria ficar inchada como um perú. Mas com quatro, cinco e seis anos o tempo máximo de atenção para uma actividade deste tipo não pode ultrapassar uma meia hora. Adoram fantoches!
Vivi uma situação parecida com a dessa professora, mas a criança nova era alemã, um menino de quatro anos. Embora tivesse causado estranheza consegui que fosse muito bem aceite pelas crianças. Ele sentiu-se um pouco deslocado por não conseguir entender o que lhe diziamos nem nos conseguia explicar o que queria.
Confirmou-se a certeza de que não precisamos de falar para nos entendermos.
Aos poucos foi aprendendo tudo e ao fim de uns três meses já nem nos lembrávamos que ele é alemão. No final de nove meses fala fluentemente e só se enrola um pouco nos verbos e na construção de frases mais complexas.

Se tivesse escrito uma história para meninas a Leonor teria delirado mesmo a sério, mas ela foi condescendente pois os rapazes da sala devem ter gostado.
A vossa filha vai ter uma memória riquissima da sua infância com o apoio incondicional dos pais que tem.

Um beijo para a família

Pedro Sobreiro disse...

Ah Elisa, obrigado.

Estava a precisar do relatório de um especialista.

Sou novato nestas andanças, de forma que registei todas as suas dicas.

Uma história nunca está terminada. Há sempre acertos que podem ser feitos.

Reconheço que tem razão em todos os reparos que fez e eu agradeço sinceramente.

O Beltrão vai ficar connosco. Inventei-o para explicar às minhas princesas coisas da vida que são difíceis de explicar.

Mesmo com imprecisões, tenho a certeza que a Leonor já guardou para si um registo do que é o racismo (por isso é que o menino é preto e não escurinho) que a vai acompanhar para sempre.

Na calha estão mais desventuras com muitas e novas personagens lá da aldeia que explicam o desemprego, a morte, a inveja e mais 7 ou 8 coisas que já tenho em lume brando na cabeça.

Vou fazer com que não fiquem na gaveta.

Só aqui para nós que ninguém nos ouve, ando à procura de um(a) ilustrador(a) que seja suficientemente louco(a) para lhe pegar.

Darei novidades.

Ah, quanto à possibilidade de desmontar a história, de a adaptar e de a contar, está mais do que autorizada. Ela já não é só minha.

Beijo e obrigado,

Pedro

Luís Bugalhão disse...

ainda não tinha lido a estória do beltrão, cabeça de limão. ou do rodisberto.

fiquei sem palavras... não pq não esperasse que o autor a escrevesse, tão linda e tão ao nível dos destinatários, mas pq estava a ver outras possibilidades: humor, reinação, rebaldaria sim, mas sem moralidades, que tu és um autor moderno (sem secundárias, hein?)...

hoje vim cá e tunga!... murro no estômago! ou no coração. ou no cérebro...

linder amigo! a tua gaiata é mais pequena que as minhas, a estória foi feita para a sua faixa etária, mas eu vou já imprintar isto para ler às minhas crias.

aventa-te a sério a esta tarefa pedro. não é para te engraxar, mas eu acho que estás ao nível do letria, ou da alice vieira ou até, salvaguardadas as devidas distâncias de contexto, do exupéry.

fiquei mm alegre e emocionado! a sério.

'brigados pela luz que acendeste por cima do cinzento da vida quotidiana.

contudo tenho uma pequena crítica a fazer (já estavas admirado, não estavas? diz lá). tendo tu deixado o 08MAR sem uma menção póstica às marias, e elas merecem-no, esta estória remete as garinas (e tu até tens uma picanina) para um papel secundário de 'namoricos', pr'além de nem poderem jogar à bola, era o que faltava!

não é por 'exigir' politicamente correctos, que muitas vezes são é tretas, mas na próxima aventura do cabeça de melão acho que devias 'entroduzir' o conceito de... meninos e meninas. iguais aos pretos e pretas. got it? (crítica que pretende ser construtiva e que já alguém t'a terá feito, logo não leves isto a peito, cm às vezes aqui acontece).

por issos, abracinho e continua com essa sensibilidade de... gaja, claro, só pode ser. (que óme que é óme não caça braboletas) ;-)

Pedro Sobreiro disse...

Tu és louco e dás cabo de mim!

Obrigado pela força!

E pela crítica também.

Para mim conta muito.

És o meu amigo marinheiro favorito logo a seguir ao Capitão Haddock!

Grande abraço.

Sexta falamos.

Pedro

Garraio disse...

Tenho que confessar uma coisa.

Eu ainda não li o conto.

No meio desta coisa toda, estou um bocado confuso.

Houve muita gente que passou por aqui e que o leu. Comentários poucos.

Eu ainda não o li. Mas já li o Luis. E o Luis para mim faz um bocado de doutrina. Faz a doutrina da isenção. Faz a doutrina de quem pode fazer crítica.

Esta noite o burro vai ler a história do Pedrocas.

Antes de dar a minha opinião sobre a história, quero deixar claro que o Pedro e eu somos e seremos amigos sempre. SEMPRE. Mesmo que ele seja Presidente da Câmara de Marvão, ou que eu seja campeão de formula um.

Com isto quero dizer que eu rio e choro com aquilo que o Pedro escreve, porque aquilo que o Pedro escreve é o sangue que corre pelas suas veias, è aquilo que ele sente e é aquilo que eu sinto muitas vezes. Se calhar, por isso estamos aqui.

E é preciso ter os tomates no sítio para ser vice presidente de Marvão e manter esta tasca aberta onde bebem copos quem não deve e não teme, sendo que do outro lado da montra, se acumulam os ansiosos que morrem sedentos. Cada um, cada qual, dizem os espanhóis.

Luís Bugalhão disse...

oi pedro.

volto aqui só para te dizer que a tua estória tb irá ser lida por mim numa sessão/maratona de leitura na eb1 nº 3 do cacém, a 04ABR08, para meninos e meninas do 4ºano (e dos outros anos tb, que espero esteja lá gente com fartura).

e digo irá, pq conto à partida com a tua autorização, quer para a leitura, quer para uma breve descrição do autor (juro que não direi mal), de modo a poder integrar o evento numa coisa que se passa pelo país inteiro (e ainda dizem que os profs não fazem nada, rejeitando tudo o que é emanado das directivas do ME, ie, mm quando há iniciativas tão boas como é o plano nacional de leitura, que corre transversalmente todo o ensino básico e secundário).

penso que será engraçado ver como em Marvão e no cacém, o racismo é um assunto pertinente e passível de boas leituras e boas estórias. é que cá, por vezes, o prob é ser branco...

fico a aguardar, s'il te plaît.

abraço

Pedro Sobreiro disse...

Meu bom amigo,

Autorização mais que concedida!

Eu é que te agradeço a ti.

Assim para já, para já, contas com 10% das receitas sobre pvp.

Peço-te um favor: na minha descrição, diz que sou muito parecido com o George Clooney.

Brigadinho.

Abraço

Pedro

Luís Bugalhão disse...

tava mais a pensar no brad pitas, derivado ózolhos dele, que nunca sei se são verdes ou azules... cm tu preenches os dois requisitos...

qt aos róialtes, será tudo para estoirar na compra de um novo treinador para o slb.

obrigado e um abraço