sábado, 26 de setembro de 2009

Uma despedida



Caros(as) colegas, companheiros(as), amigos e amigas,

Está prestes a terminar este mandato em que assumi as funções de vereador e Vice-Presidente da Câmara do meu concelho, da terra que me viu nascer. Foi um desafio que aceitei com grande orgulho e uma missão que encarei com enorme sentido de responsabilidade. A minha consciência sabe que tudo fiz para não defraudar e para saber honrar as altas expectativas que os marvanenses depositaram no projecto de que fiz parte e sobretudo, no que me diz respeito, em mim mesmo.

Nestes últimos 4 anos, dei literalmente tudo o que tinha. Foram tempos de uma entrega total, de uma dádiva consciente e abnegada em prol da minha comunidade, tantas vezes com sacrifícios pessoais que acabaram por exigir um esforço acrescido da família e amigos mais próximos. Valores mais altos se levantaram e o nome de Marvão falou sempre mais alto.

Durante este período e apesar das contrariedades que são já sobejamente conhecidas, nunca virei costas a um desafio, nunca disse que não a mais um esforço, nunca cedi a pressões ou interesses, antes lutei sempre, com seriedade e profissionalismo, de forma isenta e férrea pelo bem do concelho e dos marvanenses.

Estou feliz por tudo aquilo que consegui e grato a quem tanto me ajudou. Nada do que alcancei teria sido possível sem a ajuda da minha equipa directa e dos funcionários da nossa autarquia. Juntos contribuímos para elevar a bitola e para provar que na Câmara de Marvão há excelentes profissionais, recursos de grande mérito que devemos enaltecer para que sirvam de exemplo aos que estão menos motivados e para as gerações futuras. Todos somos importantes. Todos podemos ser melhores se dermos o melhor de nós.

Sei que nem sempre deve ter sido fácil lidar comigo. Tenho real consciência de alguns dos meus muitos defeitos. Sei que sou exigente demais, por vezes cruel nas decisões e nos actos, algo intempestivo, talvez revolucionário, umas vezes exuberante, outras excêntrico, mas fui sempre, sempre autêntico, frontal, directo e verdadeiro nesta minha forma intensa e sôfrega de viver. Peço agora desculpa pelas vezes que errei e não fui capaz de reconhecer. Peço a quem ficou melindrado por um gesto ou comentário menos feliz que releve e me deixe fechar esta página de um duro mas muito bonito capítulo da minha vida, sem rancores.

Como forma de agradecimento a todos, pensei inovar: dar uma festa de despedida de Vereador. Aceitar a vida e os seus sinuosos caminhos com tenacidade e um sorriso nos lábios. Perder o amor ao dinheiro e a minhas expensas reunir todos os que comigo navegaram neste barco para uma grande festa. Juntarmo-nos. Comermos e bebermos. Rimos e se for preciso, chorarmos. Conversarmos, bailarmos, brincarmos. Convivermos. Celebrarmos a nossa condição humana de procura da felicidade.

A ideia surgiu numa conversa circunstancial com um grupo de camaradas e foi ganhando forma. Começou como uma brincadeira mas com a ajuda de todos foi-se corporizando. Uns disponibilizaram-se para isto, outros para aquilo, outros para apenas estarem presentes (o que já é uma grande coisa!) e decidi avançar. Assim, se Deus quiser, no dia 17 de Outubro, sábado, no Recinto das Festas da Abegoa (se o meu homónimo lá de cima deixar), ou na sede da Associação de Caçadores da Fonte da Viola, nos Cabeçudos (a quem agradeço também a amável cedência de instalações), se o dia estiver molhado, lá te espero para uma jornada juntos.

Não será festa de luxos, mas antes um convívio terra-a-terra, à minha maneira. Haverá logo uma fritada com café preto pela manhã, umas sopas de sarapatel ao almoço e dois porquinhos no espeto pela tarde e se durarem (o que eu duvido…), noite fora. A condição é ninguém passar fome, nem sede, nem ir zangado ou aborrecido. Alegria é a moeda de troca.

Todos os funcionários da câmara, pessoas e organizações que comigo colaboraram nestes últimos 4 anos, colegas de outras câmaras, familiares e amigos serão recebidos de braços abertos. Vamos passar um bom bocado!

Depois, nos 15 dias que seguintes, será altura para arrumar a trouxa e zarpar. Concretizar pendentes, preparar o gabinete e as pastas para quem me há-de substituir, dar o lugar a quem de direito segundo a vontade dos eleitores que são sempre soberanos.

Quanto a mim, retomarei o lugar que com tanto esforço pessoal conquistei no Serviço de Finanças de Marvão, usufruindo da passagem nos concursos tão difíceis e que em datas tão estratégicas me caíram (Feira da Castanha e Al Mossassa), reconquistando a minha vida antiga, da qual tenho saudades sinceras.

Aí poderei continuar a fazer aquilo que sempre mais gostei: ajudar o próximo, ser útil e servir a minha comunidade, a sociedade e o país.

É tempo para desacelerar, reflectir, dedicar mais tempo a mim e aos meus e sobretudo a esse projecto de vida que vem a caminho, com o qual tanto sonhámos.

Aceitar aquilo que a vida nos dá.

Quanto ao futuro, como diz o fado… o futuro (só) a Deus pertence…

No dia 17, lá vos espero!

Com um forte e sincero abraço,

Do Pedro Sobreiro

(Texto lido na na última reunião da Assembleia Municipal de ontem, dia 25 de Setembro e distribuído aos funcionários)

11 comentários:

Pedro disse...

Vizinhança, forte e grande Abraço!

M. disse...

Eu não sou moradora de Marvão mas, com políticos destes, gostava :)

Fátima disse...

Pedro,
Lamento ver-te sair destas lides.
Sei que sais com a tranquilidade do dever cumprido.
Contigo aprendi que podemos fazer mais e melhor sempre, mesmo que tal implique o sacrificio das horas passadas com as pessoas de quem mais gostamos.Sei também o quanto isso nos custa.
Como sei, também, o quanto dói a facilidade com que somos julgados muitas vezes à pressa...
Marvão perde um vereador mas ganha um marvanense mais conhecedor e mais apaixonado da sua terra das suas gentes.
Faço questão de no dia 17 passar nem que seja só pra te dar aquele abraço.
Fica bem!

sergivs disse...

Enquanto "marvanense emprestado", só tenho a agradecer a tua dedicação e empenho. Lamento, por Marvão, que não dês continuidade ao teu árduo trabalho, mas acredito que tenhas os teus motivos, que sinceramente respeito.
Guardo a tua grande lição de que com reduzidos recursos, trabalho e profissionalismo se podem fazer muitas e grandes coisas.
Fica também a certeza de que realmente gostas de Marvão e das pessoas que te rodeiam, e que te entregaste de alma e coração.
Espero que não baixes os braços, pois poderás dar o teu contributo e a tua experiência, noutras áreas ou projectos da tua terra e ou concelho.
Enquanto pai agradeço e relembro alguns dos eventos que pensaste e organizaste e que proporcionaram bons momentos às crianças de Marvão e em particular ao meu filho.
Um Grande Obrigado "ao rapazinho de Marvão", e já agora ao Sr. Vereador Pedro Sobreiro.

Jorge Miranda disse...

Este é um discurso à toureiro, Rabo e Orelhas, saindo pela porta principal de "las Ventas".
Voltarás...
Um abraço do tamanho do mundo.
Jorge Miranda

Pilole disse...

Una española te dice, que no saben los dirigentes de Marvao, la persona que han perdido; persona que ha dado todo por su pueblo apesar de los contratiempos; si es verdad que ahora tendrás más tiempo para tu mujer e hija, por tanto que te vaya muy bien fuera de la cámara y que disfrutes haciendo lo que te gusta. Un saludo desde Valencia de Alcántara. Pilole

carlos disse...

Boa tarde sr. Pedro Sobreiro,des_
culpe o meu atrevimrnto.O meu nome e´Carlos Nabeiro.No meu timido deambular pelo Espaço Virtual da Net,"achei"o seu bem construido;
util e seriamenre bem humorado blo_
gue.Vi que e´um Autarca jovem, mui_
to querido pelos seus municipes.O
nome Sobreiro,despertou em mim me_
morias,que associadas as suas fotos
e o que demais encontrei, o sr.e´
filho do malogrado Joao Sobreiro,
meu saudoso camarada de guerra.Mo_
ço generoso e de grande sentido de
humor.Sabe quais foram as nossas
ultimas palavras quando desmobili_
sados e nos estavamos a despedir,
para cada qual ir a`sua vida?"Ago_
ra venham para ca´falar de guerra
colonial,que eu logo lhes conto"e
de seguida fizemos um MANGUITO.
Quero por este meio prestar-vos a
minha homenagem.Desculpe se fui
inconviniente.Carlos Nabeiro.

_

Robson Lima disse...

Amigo Pedro, quem dera eu poder me fazer presente dia 17 apenas para poder lhe dar um abraço sincero, um abraço de amigo e admiridarador que sou, de sua humildade, seu jeito de tratar com as pessoas, enfim, admirador da forma como consegue manter tantos amigos à sua volta. Mas ainda voltarei a Marvão, mesmo que seja apenas por um dia, para que eu possa rever amigos como você, que estão guardados no meu coração.
Abraço forte e sei que voltarás ao cenário político marvanense. É o que sinceramente desejo para ti e para Marvão.

Pedro Sobreiro disse...

Caros amigos, todos os amigos e amigas,

Bem hajam pelas vossas palavras.

O meu obrigado ao meu vizinhança Pedro, pelo pronto apoio;

À Marisa, pela confissão e pelo voto de confiança;

À Fátima, pela compreensão e cumplicidade;

Ao Sérgio, pela força e pelo empurrão;

Ao Jorge, pelo vaticínio e pela esperança;

À Pilole, pelo incentivo transfronteiriço e pela simpatia;

Ao Carlos, pela história de vida do meu pai e pela revelação;

Ao meu querido irmão Robson, pela amizade e pela saudade.

Todos vocês no meu coração.

Obrigado.

Vemo-nos por aí!

Até sempre

Azinheira disse...

Sorte para a tua vida futura.

Clarimundo Lança disse...

Gostava do fundo do coração ir....mas....
Tú compreendes o obvio.
Sorte e saúde para tudo onde te metas.
Esta vá por su magestad!
Força.