domingo, 29 de novembro de 2009

Futsal: Santarém assiste a reedição de Choque de Titãs

Os de Marvão
-
Os de Santarém

Num fim-de-semana de derbies frouxos (o de Alavalade a zeros, o de Barcelona decidido pela vantagem mínima), é tempo para recordar o cósmico embate do passado Sábado em Santarém, um duelo de gigantes entre as equipas local e a de Marvão, que mais uma vez assumiu contornos míticos.

Esta Taça que tem vindo a ser disputada de há uns anos a esta parte sempre com grande espectacularidade e nasceu como forma de celebrar a amizade entre amigos dos dois concelhos, já é um evento consagrado e nenhum dos protagonistas consegue imaginar a sua existência sem ele.

As expectativas eram bastante altas e os nervos estavam ao rubro. A equipa de Marvão não estava à espera de facilitismos e teve de se manter unida para conseguir ultrapassar todas as adversidades. Para além dos muitos quilómetros e das muitas horas de viagem que antecederam a partida, não se deixou intimidar por um campo descoberto e pela chuva que caía copiosamente.

Uma partida sem árbitro e que decorreu debaixo do dilúvio favoreceu a equipa local que certamente treinou toda a semana sob essas condições adversas e soube usufruir da experiência adquirida para se adiantar no marcador. De nada lhe valeu esse arrojo. A equipa de Marvão que utilizou a primeira parte para estudar a táctica e o posicionamento adversário, depois de restabelecida pelo pão com farinheira e pelos brancos gelados ao intervalo, entrou galvanizada para uma segunda parte memorável em que violou as redes dos rivais por 5 (!!!) vezes tendo sido batida por apenas mais uma vez.

Nem as vibrantes exibições dos Manos Pescada (diabólicos com o esférico no pé) e a magia do futebol latino do nosso Dr. Sequeira livraram os scalabitanos do vexame. O time de Marvão, muito entrosado e com múltiplas soluções de ataque, dominou a toda a linha. A destacar, a épica exibição de China na baliza e a técnica de sonho do Sr. Sabi, cada vez mais uma lenda dos tempos modernos, único nos seus toques de calcanhar característicos, enorme poderio físico e ímpar visão de jogo. (NR. O blogue é meu e eu escrevo o que quero).

Em bom plano estiveram também: o central Pousadas (seguríssimo a defender), os centro-campistas Pires e Chaparro (tecnicistas por excelência), os veteranos Barradas e Ginja (embora tenham que perder peso com urgência e ainda muito a aprender com os colegas, sobretudo com o Sabi) e o ponta-de-lança Bomba, qual Tevez lusitano, cada vez mais próximo do futebol inglês depois desta deslumbrante prestação.

Mas, meus amigos, o melhor ainda estava para vir… Depois de uma ou outra birra de mau perdedor, lá nos deslocámos para a casa do nosso anfitrião Sequeira onde a Tertúlia “Sempre em Festa” abriu as suas portas para receber a comitiva marvanense. Esta tertúlia que existe há já 23 anos é um espaço único que só poderia ter sido criado por alguém também muito especial. Com sede física na cave da residência, a “Sempre em festa” é um altar à amizade onde o futebol, os fados e os toiros são os estandartes e a vida se celebra em cada reunião e se renova em cada convívio.

E que convívio nos esperava…

A abrir, um misto de enchidos assados e umas imperiais geladinhas. Depois, foi a vez de meter o dente à famosa “Massa à Barrão” da qual eu já tantas vezes tinha ouvido falar, confeccionada na hora por mãos sábias, que se revelou verdadeiro manjar de deuses. Depois, já se sabe como é… A tarde estava chuvosa e aconselhava ao recato, o ambiente excelente, o vinho branco convidativo e o menu, como digo, de encantar, pelo que as horas passaram e nem demos por elas. Não fosse o compromisso assumido com alguns elementos da equipa de regressarmos a horas de estarem presentes num outro jantar de um amigo e o mais certo era, passados estes dias todos, ainda lá estarmos.

Coisa boa…

Disseram os nossos camaradas de Santarém, na edição de 2008 que teve lugar num inesquecível dia inteiro de Verão na Quinta dos nossos estimados Conchinhas, que a fasquia tinha ficado alta demais para a próxima jornada… A opinião unânime no regresso foi que passaram com distinção… A bola agora está do nosso lado… Cá vos esperamos em 2010…

Grande abraço e bem hajam…


Nem as deploráveis condições do campo lhes valeram...

A Tertúlia "Sempre em Festa"! Isto sim...

Lindo!

Nem falta o azulejo de Marvão... visto da Aramenha!

Mãos sábias preparando o repasto

Dos estatutos...

Tábuas de enchidos? Bom!

Tão jeitosinho... Cuidado não deixes queimar...

Mais fininho? Para durar mais? Está bemmmm...

Hummmmmm... Melhor há-de saber...

Esta é para meter no açucareiro... por causa das formigas...

Mnhamm, mnhamm, mnhammm

À cabeceira... o chefe desta malta toda... Dr. Sequeira!

Ó Pescada... come mais um pratinho... Ainda só vais no 4º... Vê lá não te dê a fraqueza...

(sem comentários)

Pausa para respirar

Momento alto da soirée com os trinados dos clássicos de Coimbra na voz de rouxinol do nosso anfitrião. O Chaparro estava a adorar. Vê-se logo...
-

O diploma oficial
-
-
Dos versos por mim redigidos e proferidos no pós-almoço…

Bem haja Dr. Sequeira,
Sua equipa e excelsa organização,
Por este magnífico convívio,
E pela inesquecível “Massa à Barrão”.

Nós vimos do Alentejo,
Da sua terra, do seu lar,
Com muito boa disposição,
Cheios de vontade de ganhar.

O jogo pouco importa,
Mas ainda assim, foi monumental,
Já nem me lembra quem venceu,
Só sei que foi por 5 e tal.

Ficaram para a história,
As bolas ao poste do Sequeira,
E as perninhas dos Pescadas,
Que mais pareciam uma peneira.

Este convívio nasceu,
Da minha amizade com o Rui,
Começou nas Finanças em Nisa,
Tão feliz que por lá fui…

Apesar da distância,
Revivemos assim a amizade,
Juntamo-nos de quando em quando,
Vamos matando a saudade.

Meus amigos bem hajam,
Adeus e até um dia,
Lá vos esperamos em Marvão,
Para mais uma jornada concelhia.

Vamos daqui extasiados,
Com esta memorável recepção,
Levamos toda a rapaziada,
No melhor do nosso coração.

Nós adoramos isto,
Muito, muito e até mais não,
Viva a malta de Santarém,
Viva a malta de Marvão!

2 comentários:

luis miguel disse...

Cinco estrelas como diria o tó mané.

Estas a subir de forma , mas ao lado dos manos pescada, ainda tens de virar mt frangos e abrir muitas ninis.

São mt fortes na recta final .
Bem acham aos dois.

Como capitão de equipa agradeço a todos a maneira como nos receberam e trataram ,do fundo do coração ,obrigado a todos vocés .


Já agora para o (jogador,Sabi)treina melhor os toques de calcanhar,deram sempre contra ataques da equipa adversaria,ui que perigo .

já agora quantos bolos marcaste!



Um abraço, até 2010.

L. Barradas

Pedro Sobreiro disse...

Nem só de golos vive a magia do bom futebol, meu caro amigo.

E para mais... Os grandes futebolistas sempre foram incompreendidos numa ou outra fase da sua carreira...

Pode ser que daqui a uns anos, o Gabriel Alves vos consiga explicar...