quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Olhó Robot! (Separados à Nascença!)

(clicar na imagem para ampliar)


Esta história de ser a própria família a divulgar o retrato-robot, meses depois do desaparecimento, é mesmo muito estranha. Que eu saiba, as competências dessa área são da polícia e cada vez mais me convenço que o velho Moita Flores tem razão: o caso pode muito bem ter protagonistas óbvios.

Mas pelo sim pelo não e como passei também férias na Praia da luz pouco tempo depois do sucedido, lembrei-me de dar uma volta pelo meu arquivo fotográfico digital, para uma segunda olhadela pelas fotos que registámos então, na tentativa de apanhar o dito cujo em segundo plano e assim poder ajudar a resolver este mistério.

Mas sabem como é… a gente começa ver as fotos, entusiasma-se e vai por aí fora, vendo mais e mais e mais e eis que de repente, encontro umas imagens de uma Festa da Relva de há uns anos atrás e dou de caras com o meu amigo Victor Malaquias, célebre vulto da vida artística arenense, com um look bem similar ao do meliante.

Coa breca!

Estão parecidos ou quê?

E foi então que me lembrei de publicar isto quanto antes para que a Polícia não descubra por ela própria e ainda invente para aí problemas ao nosso amigo.

Sendo a notícia avançada pelo blog, tudo não passa de uma brincadeira e o nosso Victor pode continuar a viver em paz.

Mas só aqui para nós. Se fosse eu, cortava a melena quanto antes.

Sempre um gajo ficava mais descansado…

1 comentário:

João Bugalhão disse...

A MINHA TERRA LIGA POUCO A MARVANENSES DISTINGUIDOS LÁ FORA!

A semana passada acompanhava, com pouca atenção, um dos noticiários da TVI, quando de repente ouvi um nome que me chamou a atenção:

“… Vítor Caldeira, havia sido nomeado (vejam só), Presidente do Tribunal de Contas Europeu!...”

Pensei não estar a ouvir bem. Sabia que o Vítor há algum tempo tinha partido para Bruxelas, mas Presidente do Tribunal de Contas Europeu?...

Esperei ansiosamente que mostrassem as imagens, pensando ainda tratar-se de qualquer homónimo…mas não, lá estava ele.

Era mesmo o Vítor, aquele companheiro tímido com quem eu brincava às vezes na minha infância. Filho do carpinteiro João Caldeira e da telefonista Hermínia Silva, neto de Joaquim Estriga, marido de Fátima Gomes Esteves, e primo muito próximo da minha filha Luísa.

Fiquei à espera que o nosso tasqueiro aqui nos trouxesse esta notícia, mas como passou uma semana e nada, resolvi eu fazê-lo.
Espero não estar a estragar uma 1ª Página…ou Cartaz exposto na parede da tasca…

É que parece que a notícia também não chegou à Guarita…, pelo menos até agora.

Também não admira, porque hoje ao comprar um dos “pasquins” da nossa praça, lá vem a referência. Mas que o ilustre, é de Campo Maior!...e estudou em Portalegre…

(E eu a pensar…é a importância que tem o meu concelho, visto do exterior!)

Já tínhamos um campo de golfe em Castelo de Vide; se quisermos médico só em C. Vide; se quisermos finanças, idem…

Um dia destes, ao acordarmos, daremos com o Castelo Altaneiro de Marvão a pertencer a C. Vide ou a Portalegre!

Como o teu pai se sentiria orgulhoso…

Já agora deixo aqui algumas partes do seu Curriculum:

Vítor Manuel da Silva Caldeira, nasceu em 1960, é membro do Tribunal de Contas Europeu desde Março de 2000.

Licenciado pela Faculdade de Direito de Lisboa, com uma pós-graduação em estudos europeus pela mesma Faculdade. Foi Inspector de Finanças entre 1984-1989, Inspector-Director de 1989-1995 e Inspector-Geral até Fevereiro de 2000.

Em 1995 iniciou funções como responsável pela área de Coordenação dos Controlos Comunitários e do Sistema de Controlo Interno da Administração Financeira do Estado português e desempenhando vários outros cargos em áreas ligadas a questões europeias.

No final da década de 90, foi Consultor da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), no âmbito da iniciativa SIGMA (Apoio para a Melhoria da Governação e Gestão nos países da Europa Central e Leste…é agora: Presidente do Tribunal de Contas Europeu.

PARABÉNS VITOR, espero que quando tiveres possibilidade, não te esqueças de dizer a esta gente toda, que a tua terra é MARVÃO!